28 abril 2014

MARISA MONTE

Conheci o Peu em meados dos anos 1990, através do Davi Moraes, do Pedro Baby , do Betão Aguiar e de seu irmão Gil.
Todos parte da família Novos Baianos, uma grande turma de “primos”, todos talentosos e da música.
Deles, o mais baiano sempre foi o Peu ,não só por morar em Salvador, mas também tocar numa banda de rock, tradição musical da cena soteropolitana.

Em 1998, eu fui a Salvador com o [Carlinhos] Brown e o Tom Capone. Eu estava produzindo “Omelete Man” do Brown. Convidamos a banda dele, Dois Sapos e Meio, por acharmos que a sonoridade  seria perfeita para a música “Cachorro Louco”, uma espécie de vinheta furiosa bem pesada.

Em 1998, eu fui a Salvador com o [Carlinhos] Brown e o Tom Capone. Eu estava produzindo “Omelete Man” do Brown.
Convidamos a banda dele, Dois Sapos e Meio, por acharmos que a sonoridade seria perfeita para a música “Cachorro Louco”, uma espécie de vinheta furiosa bem pesada.
Me lembro desse dia com afeto e alegria.
Pedais, distorções, amplificadores em alto volume, no lendário estúdio WR.
Depois disso encontrei com ele pessoalmente algumas vezes e acompanhei sua evolução em outros sons e outras bandas, sempre com carinho e atenção.

início

ESTUDO PARA PRIMEIRO ALBUM Nº1 // Single
  1. ESTUDO PARA PRIMEIRO ALBUM Nº1 // Single
  2. ESTUDO PARA PRIMEIRO ALBUM Nº3 // Single
  3. ESTUDO PARA PRIMEIRO ALBUM Nº4 // Single
  4. ESTUDO PARA PRIMEIRO ALBUM Nº2 // Single